Os produtos da empresa Sonex foram usados no saguão de entrada, exposições leste-oeste, nas salas de projeções do segundo andar e no auditório, proporcionando melhor condicionamento acústico e mais segurança ao empreendimento.

Sonex atende critérios de segurança contra incêndios

O Museu da Língua Portuguesa foi reaberto ao público após passar por uma grande reforma devido ao incêndio que acometeu o lugar em 2015. A restauração, que durou cerca de 6 anos, teve apoio da Sonex, empresa do grupo Saint-Gobain, que realizou uma doação de materiais, seguindo as principais diretrizes da obra – com o intuito de prevenir outro incidente, optaram por produtos que não propagassem fogo e oferecessem maior segurança ao acervo e aos visitantes.

Neste projeto, existia uma grande preocupação com as questões acústicas, pela localização do Museu no centro de São Paulo e, principalmente, para garantir o aproveitamento das experiências audiovisuais do local, que tem o som como um de seus protagonistas. No saguão de entrada, exposições leste-oeste e nas salas de projeções do segundo andar foi usado o material Sonex Illtec, que reduz a reverberação do som e é feito com espuma de melamina antichama. No auditório do terceiro pavimento, que requer condicionamento acústico específico para não comprometer o entendimento de apresentações, o destaque ficou com os painéis da solução Nexacustic Ignifugo 32 e 32RF.

As soluções doadas garantem um maior conforto acústico e não propagam chamas nem liberam fumaças tóxicas. Elas são classe IIA conforme a NBR16626 e IT10 (Instrução Técnica do Corpo de Bombeiros), classe mais restritiva para produtos aplicados no teto, principal região de foco dos incêndios, para onde as chamas tendem a subir. Os materiais são desenvolvidos a partir da espuma de melamina produzida pela BASF, parceira no projeto, que conta com uma tecnologia exclusiva para evitar a propagação de chamas e de fumaças tóxicas, dois itens cruciais para situações de incêndio.

Além de seguras, as soluções se adaptaram ao projeto arquitetônico, não interferindo em sua estética. “É um imenso prazer ter nossa marca como parte do novo Museu da Língua Portuguesa, e ficamos muito satisfeitos de ver que nossos materiais se encaixaram perfeitamente na ideia de trazer a modernidade e segurança que os tempos atuais pedem junto a uma solução que impactou na estética original e minimalista do Museu”, comenta Luciano Marcolino, diretor de Acústica do grupo Saint-Gobain.

De acordo com Thiago Spedo, coordenador regional de Especialidades Plásticas da BASF para a América do Sul, o Basotect® é uma espuma de melamina inovadora que une tecnologia e versatilidade. “Tecnologia porque é um material eficaz em absorção acústica e que garante total segurança contra chamas aos ambientes onde são instalados. E versatilidade por dar liberdade aos profissionais de design e arquitetura para que criem espaços esteticamente personalizados, pois é possível uma grande variedade de cores e formas a partir do bloco original de Basotect®”, explica. “Estamos muito felizes com a oportunidade de participar desse projeto de reconstrução deste patrimônio cultural tão importante, como é o Museu da Língua Portuguesa”, considera.

O Sonex illtec foi aplicado em branco dentro das cubetas do Saguão Principal e na cor preta nos outros ambientes, enquanto o Nexacustic 32 tem o aspecto de madeira (MDF) e garante a reflexão e absorção acústica necessária para o auditório.

Serviço:
Sonex
tel.: 0800 709 6979
owa.com.br

Basf
tel.: (11) 2039-2273
basf.com/br/pt.html

 

Sua conexão com o Arqbrasil